Dicas de Iluminação Residencial Interna

Quando se trata de iluminação residencial interna podem surgir algumas dúvidas, não é mesmo? Porque temos aquele conhecimento que uma só lâmpada no meio da sala é suficiente. 

Mas como eu faço essa disposição de lâmpadas? Quantas preciso? A situação parece que complica quando nos deparamos com os tipos de lâmpadas existentes.

Diante de tantas opções que vemos no mercado, resolvemos escrever este post para lhe ajudar com a iluminação residencial de modo eficiente.

Eficiente porque, a luz, ela precisa cumprir seu papel: iluminar. Mas por muitas vezes ela encontra alguns obstáculos, por exemplo, o tamanho do ambiente, móveis grandes, cores escuras na parede. Gostando nós ou não, isso influí na escolha da lâmpada.

Sendo assim é necessário que haja uma atenção especial em cada ambiente. Preferível que ele seja analisado com carinho, principalmente se você gosta das sensações que a luz traz quando mais quente ou fria. 

E na nossa casa é assim… horas precisamos de uma luz para relaxar, outras para trabalhar. Então, podemos usar e abusar da iluminação dividindo a luz em vários pontos dentro de casa...e por fim a luz estará iluminando e decorando o ambiente! 

Nesta leitura, reunimos os principais conceitos sobre iluminação que você vai precisar para transformar seu ambiente de uma vez por todas! 

Preparado? Vamos lá! 

Como iniciar a iluminação?

Você deve ter em mente que a iluminação residencial interna é adequada a função de cada ambiente. Só depois de descobrir como você usa o ambiente é que perceberá qual o efeito de iluminação melhor se encaixa e qual o posicionamento ideal de cada lâmpada.

Então a ideia é que você realmente pare no meio da sua sala ou qualquer outro cômodo que deseja iluminar! E o analise! 

Crie um desenho de onde está localizado cada móvel, a disposição das janelas e portas. Repare nas cores das paredes, se são claras ou escuras, isso vai influenciar na iluminância.

O que você mais faz nesse ambiente? Como você se sente em ambientes com pouca luz, ou muita luz? 

Essas questões estão ligadas ao que é chamado de projeto luminotécnico. Muito usado por Arquitetos e até encontramos profissionais especializados nessa área, os Lighting Designer.

Se você está reformando ou construindo pode se deparar com esse assunto, milhares de vezes. Só tenha em mente que um bom estudo do seu ambiente vai permitir você equilibrar a luz natural e artificial. Permitindo uma iluminação residencial perfeita. 

A lighting designer Lorena Mattos, para o blog Tua Casa  afirma:  “Um bom projeto luminotécnico é aquele que pensa todo o espaço, trabalha de maneira conjunta a luz natural e artificial, traça estratégias para economizar energia e reduzir os impactos no meio ambiente”. 

Feito essa análise do ambiente, queremos que você entenda também a questão dos tipos de luzes que são pontos importantes para a iluminação.

Luzes: Direta, Indireta e Difusa 

Provavelmente na casa da sua avó, se for uma casa mais antiga, terá uma luz central no teto (uma luz difusa), acompanhada de um abajur (uma luz indireta). 

Já nos projetos atuais, as casas ganham vida com luzes difusas, indiretas e diretas, todas misturadas. Mas cada uma usada especificamente para cada situação e função do ambiente. 

Essas luzes bem planejadas, criam cenários, ressaltam objetos e proporcionam bem-estar.  

Depois de ler este post você vai entender como iluminar a sua casa e perceberá com mais clareza as diferenças entre as luzes em qualquer lugar que for.

Luz Difusa

A iluminação difusa é uma lâmpada centralizada no teto iluminando o ambiente por inteiro. Ela também pode ficar difusa com o uso de um difusor de luz. 

Ao exemplo daqueles plásticos de cor leitosa que fica entre a lâmpada e o ambiente. Este plástico espalha a luz, que perde o foco ou seja, a luz passa a ficar difusa.

Encontramos essa luz nas salas, banheiros e quartos, principalmente.

Luz Direta

Aqui é uma luz focada em um objeto. Por exemplo, um pendente focando a mesa lateral na sala ou uma luminária em cima da escrivaninha no quarto. 

Esta luz para efeito didático nos faz lembrar de uma lanterna, ela foca a luz em uma direção, forma um tipo de cone de luz, quanto mais distante maior o raio do foco.

Luz Indireta

A luz indireta é usada de maneira decorativa. Os abajures ou pendentes usados com este tipo de luz, é sempre algo mais sútil, delicado.

A luz indireta dificilmente vai tornar o ambiente iluminado para ambientes de trabalho, por exemplo. Ela tem um efeito mais decorativo e de aconchego mesmo.

Luz Natural

Em um projeto luminotécnico, se faz a compensação da luz do sol que entra pelas aberturas das casas com a luz artificial. 

É importante analisar as diferentes direções do sol em cada horário do dia, assim como o movimento dele no verão e inverno.  

Logo mais neste post veremos inspirações dessas luzes. Só antes temos mais alguns detalhes da parte técnica para entender. 

Características das lâmpadas

Cada lâmpada carrega características específicas como temperatura da cor, vida útil, fluxo luminoso, watt, IRC, etc.

Elas também são divididas em tipo de tecnologia, como as incandescentes, fluorescentes, LED, Halógenas, etc..além dos inúmeros formatos.

A maioria dessas informações  estão presentes na embalagem do produto como:

  • ✦ Potência (w);
  • ✦ Tensão (v);
  • ✦ Temperatura de cor (k);
  • ✦ Fluxo Luminoso (lm);
  • ✦ Cor da lâmpada;
  • ✦ IRC;
  • ✦ Vida Útil (h).

Para uma ótima iluminação residencial é importantíssimo você entender bem o que as principais indicações significam:

Potência (w)

A potência da lâmpada é medida em watt, isso é, o consumo de energia. O que muitas pessoas se confundem, pois escolhem a intensidade de luz pela quantidade de watt apresentado.

E o que realmente vai dizer se uma lâmpada ilumina mais ou menos é o fluxo luminoso - o lúmen.  

Fluxo Luminoso (lm)

O Fluxo luminoso é medido em lúmen e esse sim, é a quantidade de luz que a lâmpada emite. É por onde você precisa se basear para ter um ambiente mais claro, se for o seu desejo. 

Temperatura da cor da luz

Quando falamos da cor da lâmpada, também estamos nos referindo a temperatura, que é medida em kelvin (k). As tonalidades variam entre amarelo, branco e azul. 

Por exemplo, 2000 k vai remeter a uma luz amarela (quente) conforme vai aumentando ela se torna branca (fria) e subindo ainda, vai azulando. Acima de 7000 k a luz já é no tom azul. Gráfico com lâmpadas desenhadas mostrando a tonalidade de cada uma conforme o valor do kelvin

Em Pinterest

IRC - Índice de Reprodução da Cor 

Será que já aconteceu com você de comprar uma roupa vermelha na loja e quando chegou em casa viu que ela era mais pra um tom rosa escuro?

Esse fenômeno pode acontecer por culpa do IRC das lâmpadas, medido em porcentagem (%). Quanto menor este número (40%), mais em tons “pastéis” ficarão os objetos e texturas. E quanto maior (80%), mais perto da realidade da cor será.

Imagem representando as temperaturas das lâmpadas

Em Luiz GéaPerceba que cada tipo de tecnologia de lâmpada pode ser associado a um IRC aproximado, sendo as Halógenas com maiores índices de IRC e as de descarga com gás de sódio em baixa pressão com menor índice de IRC.

Vida útil das lâmpadas

Para descobrir a durabilidade é feito um teste com uma quantidade de lâmpadas. Assim é observado em horas a sua eficiência. 

Saber a vida útil é importante para entender que uma lâmpada aparentemente mais cara na prateleira, pode ser muito mais barata ao longo prazo.

Formatos das lâmpadas 

Formatos de lâmpadas Por Freepik

Outra característica das lâmpadas e que são um ponto muito positivo na hora de iluminar a sua casa - é o modelo. 

Nos supermercados encontramos principalmente as de formatos, bulbo (aquele modelinho redondo das primeiras lâmpadas incandescentes)

Em lojas especializadas em vendas de lâmpadas ou mesmo em instaladoras conseguimos encontrar uma gama maior de formatos.

E as opções são  realmente numerosas: globo ou bolinha, linear, palito, vela, tubular entre outros tantos nomes.

Na base de todas as lâmpadas, estão os conectores, no qual sua função é fixar a lâmpada e conduzir a energia elétrica. 

Ele é muito importante na instalação elétrica, porém não precisamos nos preocupar tanto, pois existe uma padronização que garante a compatibilidade dos vários modelos de lâmpadas.

Tecnologias das lâmpadas

Cada lâmpada de qualquer formato vai trabalhar sob alguma tecnologia. As mais conhecidas no mercado para iluminação de residências são as Lâmpadas incandescentes, Lâmpadas fluorescentes, Lâmpadas halógenas, Lâmpadas LEDs.

Ainda existem as Lâmpadas de descarga, mas essas são de alta pressão, destinadas para iluminação de ambientes externos, como estádios, por exemplo.

É interessante você saber sobre as características, antes de comprar qualquer lâmpada. Além do mais fazer o projeto luminotécnico, vai garantir uma iluminação residencial mais eficiente.

Dito isso, vamos iluminar e decorar sua casa???

Inspirações para a iluminação residencial interna

Você pode com o auxílio das diferentes lâmpadas criar um ambiente harmonioso em sua casa. Tomando cuidado com a sensação que irá produzir com cada uma delas. 

O uso do dimmer nas lâmpadas é uma “mão na roda” na questão decoração. Só se certifique que a lâmpada suporte o dimmer, caso contrário ela pode queimar.

Uma decoração bonita deve conter luz e sombra! Isso vamos conseguir com o auxílio dos os diferentes tipos de luminária.  

Luminárias

Opções para iluminar e decorar são inúmeras: abajures, pendentes, arandelas, lustres, fitas de LED, spotlight... e outros

Lustre

O Lustre pode servir como iluminação principal, graças às suas várias lâmpadas. 

O tamanho do seu ambiente vai dizer qual será o tamanho do lustre a ser usado.  E o local, se for usar ele em cima da mesa de jantar, existe uma altura necessária entre 80 cm e 1 metro.

Rasgos de Luz 

É um efeito entre o teto e o forro da casa, ou na parede. Pode ser usado em qualquer ambiente para deixar além de mais moderno, com mais luz.

Fitas de LED 

Podem ser mais caras em determinados momentos, mas tem durabilidade maior, além do consumo menor (assim como as lâmpadas).

São usadas em muitos lugares na decoração, salas, quartos, banheiros, cabeceiras de cama. Por serem mais maleáveis podem fazer vários desenhos.

Se quiser saber mais sobre como escolher uma fita de LED, assista o vídeo que salvamos na nossa pasta do Pinterest.

Arandelas

É uma luminária de parede, usada em ambientes internos e externos. Excelente para compor a decoração e deve ficar em torno de 1,80 cm do chão.   

Balizadores 

Aqui são encontrados inúmeros tipos. O seu uso em ambientes internos é para dar um charme na decoração. Em jardins, por exemplo, serve para indicar o caminho.  

Abajures

Você encontra de vários estilos, tecidos e materiais, ou seja, são totalmente adaptáveis nas decorações. Geralmente usados nas mesas de apoio que ficam nos cantos das salas ou os abajures de chão, nos criados mudos próximos as camas.

Pendentes

Figura indicando a altura certa para colocar pendente

Às vezes ele é confundido com lustre. Mas a sua função é levar a luz mais próxima possível, por isso ele é visto na decoração, em cima de bancadas e mesas de jantares e do lado da cama. A característica principal é o seu looongo fio pendurado. 

Spotlight - Os spots

Usados tanto em ambientes externos quanto em ambientes internos. 

Para ambientes internos com uma luz suave, direcionada. É uma luz de destaque. É recomendado colocar poucas, principalmente em ambientes pequenos.  

Tem a opção de usá-lo embutidos ou em trilhos.

Plafon

É um tipo de luminária de teto encontrada em todas os tipos de luz, difusa, indireta, direta ou LED. São quadrados, retangulares ou redondos. 

Quando embutidos deixam o ambiente bonito e acolhedor, com uma luz suave. Quando não, ele consegue espalhar mais luz pelo ambiente.  

Podemos usar ele no quarto, sala de jantar e até no banheiro. 

A luz correta para cada ambiente

A Luz correta é aquela que vai te proporcionar bem-estar e ao mesmo tempo vai lhe ajudar a colocar a linha na agulha. ☺

Com isso queremos dizer que a luz vai te auxiliar na decoração e nas atividades corriqueiras do dia a dia. Dependendo da função do ambiente. 

Iluminação dos Quartos

A primeira dica para usar nos quartos é o dimmer,  assim você controla com mais facilidade, quando for descansar utilizando uma luz mais suave ou quando for fazer a faxina, uma luz mais brilhante.

Pode optar também por pendentes, luminárias articuladas, abajures com uma luz amarelada para trazer acolhimento. 

No quarto abaixo, além dos pendentes e do trilho com spot, tem o letreiro na cabeceira com iluminação neon. Dá um charme no quarto. 

Já neste outro quarto, temos uma grande variação de iluminação. Spots embutidos no teto. Pendentes que vão até o criado mudo. Além de ter na parede a luminária articulada, próximo a cama, que provável é para a leitura antes de dormir.

Iluminação no Hall de Entrada

O Hall ou corredor de entrada é o cômodo responsável por dar a primeira impressão aos seus convidados. Uma iluminação uniforme e ampla que pegue toda a entrada, passa um ar convidativo de segurança e aconchegante.

Uma boa alternativa é instalar uma lâmpada de teto ou um belo pendente logo acima da porta. Você também pode utilizar vários spots embutidos nas paredes laterais e até mesmo abajures com suportes para parede.

Além disso você pode utilizar lâmpadas com sensores, elas passam um ar de segurança e te ajudam a poupar uma grana com a conta de luz, já que só ligam quando tiver alguém no ambiente.

Iluminação para Salas

Na sala de estar, o ambiente precisa estar agradável e aconchegante. Para isso é indicado utilizar uma luz difusa, que espalha e suaviza a intensidade por todo o ambiente.

É recomendado utilizar lâmpadas com cores amareladas ou mais quentes, pois tornam os ambientes mais confortáveis, estimulando a pessoa a relaxar. 

A sala é um dos ambientes mais diversificados para a gente iluminar. Normalmente as lâmpadas utilizadas têm temperatura de cor entre de 2700 K e 3100 K.

Trazendo melhor a sensação de relaxamento e bem-estar.

O uso de spots embutidos é interessante, só cuidado para não deixar o foco em cima do sofá. A luz focando na cabeça é desconfortável e com o tempo pode acabar irritando.

Quando ela está integrada com a cozinha ou com a sala de jantar. Podemos usar outros tipos de luzes em pontos específicos, para atender melhor a necessidade do ambiente.

Tudo vai depender do clima desejado e para cada ocasião, como, um almoço em família, um jantar a dois ou uma recepção para os amigos. 

Um exemplo, você pode utilizar, focos de luz em cima da mesa vindo do teto, que criam uma atmosfera mais intimista. e deixam o resto da casa na meia-luz.

A luz difusa sobre a mesa deixa o ambiente iluminado como um todo, pode ser um lustre, pendente central, que conectado a um dimmer, controlando a intensidade da luz de acordo com a situação.

 

Cozinhas

De modo geral as cozinhas devem ser bem iluminadas. É uma área de trabalho, nela preparamos nossos alimentos com higiene e cuidado.  

É ideal que se utilize lâmpadas com alto índice de reprodução de cor ou IRC, dessa forma você consegue enxergar com clareza e precisão os alimentos.

Pode optar por uso de fita de LED lá área da pia, spots direcionados ou pendentes na bancada. Nesses lugares é mais agradável a utilização da  luz branca para ter mais visibilidade.   

No teto as sancas estão sendo bem utilizadas como a luz principal, tanto em ambientes pequenos quanto em ambientes grandes. 

Olha essa cozinha! Mesmo sendo pequena conseguiu usar vários tipos de luzes. Além da entrada de luz natural, tem a luz na pia para ajudar no preparo dos alimentos.

No teto plafon embutido com tom de cor mais fria e na bancada, provavelmente é usado para servir a pessoa optou por spots embutidos com cor quente.

Cozinha pequena integrada com lavanderia. Bancada com mármore escuro. Projeto por @karimesc_arquiteta

A iluminação é muito importante, até se você gosta da ideia de ter uma cozinha mais escura, como o caso que trouxemos. Com o apoio da iluminação correta, a cor das paredes e móveis pode ser qual você desejar.

Essa ideia de colocar luz dentro do armário lhe agrada? 

Confesso que não tinha passado na mente ainda. Mas é uma solução inteligente para armários fundos. Neste caso a luz de LED é apropriada porque não esquenta.

Iluminação de Banheiro

No banheiro é onde costumeiramente se cometem mais erros de iluminação! 

Procure iluminar bem a bancada e a pia, as lâmpadas refletoras devem ser evitadas, pois criam sombras no rosto, dessa forma prejudicando as mulheres quando vão se maquiar e aos homens quando vão se barbear. 

A luz de camarim, que alguns usam no banheiro, também é bastante prejudicial para a aparência, já que cria sombras, e as lâmpadas são muito quentes, fazendo o usuário do espelho transpirar com facilidade (essa iluminação só é usada no camarim para o artista simular a visão que a platéia terá dele: com luzes em foco).

O banheiro exigem uma iluminação branca, pois é uma área que necessita de higiene constante, você pode utilizar spots e fitas de LED ao redor do espelho.

Veja como é interessante uma luz frontal.

Aqui temos um exemplo, da luz embutida no próprio espelho. E o mais legal, é que alguns desses modelos vem com a possibilidade de você variar a temperatura. Por exemplo, de 3000 k e 4000 k.

Como o banho é um dos momentos relaxantes do dia, você pode e deve ter mais que uma luz. 

A sugestão são os spots, arandelas e até os rasgos na parede para que além de charmoso, seja convidativo e acolhedor para depois de um dia intenso.

 ▐ Dica: Uso de spots amarelos no box, são relaxantes.

Iluminação para Escritório

 

Em ambientes de trabalho, é indicado utilizar lâmpadas que emitem luz branca, ou branca azulada, que chamamos de frias. 

Podendo superar os 6000 k, elas são mais estimulantes, diferente das lâmpadas amareladas que causam mais relaxamento.

Nesse tipo de ambiente também pode ter vários pontos de luz, além da central. Deve focar luzes na mesa de trabalho para ajudar na leitura, como também nas estantes, para destacar objetos importantes.

Mas você deve tomar muito cuidado ao posicionar, pois dependendo do ângulo e tipos de lâmpadas, podem causar reflexo na tela do computador, e assim causando desconforto e talvez deixa o ambiente mais cansativo. 

Home Office com dois lugares para trabalhar. Em tons de branco Em Pinterest

A iluminação residencial interna é mesmo incrível. Você pode usar em qualquer cômodo de diferentes maneiras.

 Até para os amantes de jogos online, a iluminação é diferenciada.

Aqui na Tambo temos quem ama jogos. E você? Conhece alguém que iria se inspirar no ambiente abaixo?

 

Conclusão

Iluminar nossa casa é simples. Vamos ao mercado, compramos uma lâmpada com o número do watts alto e está tudo iluminado! Não, não é assim né?

Observamos neste artigo que existem alguns detalhes técnicos importantes para serem analisados. Que juntando com as mais diversas luminárias podemos chegar na iluminação residencial interna perfeita. 

Lembre-se sempre de perceber como você se sente melhor dentro dos ambientes, levando em consideração por quanto tempo e qual atividade realiza no ambiente. 

Pois você sabe, muita luz pode provocar sensações de irritabilidade bem como a falta da iluminação deixa os moradores insatisfeitos.

Faça uma boa análise, anote tudo e então, ilumine e decore sua casa. Porque somos sim, capazes de iluminar de maneira eficiente.

Ah! Procure sempre um profissional elétrico capacitado para a parte das instalações. Segurança é fundamental! 

Esperamos que este conteúdo sobre iluminação residencial interna tenha lhe ajudado. 

Obrigada e até o próximo post!

 

Fale Conosco pelo Whatsapp