Iluminação: Tudo o que precisa saber antes de comprar qualquer lâmpada

É empolgante entrar no mundo da iluminação! São tantas opções, qualidades, tipos, e questões técnicas para levar em conta na hora de fazer com que os efeitos estéticos fiquem realmente incríveis!

Apesar de um resultado lindíssimo e de intenso valor, planejar a iluminação é uma tarefa e tanto. Ao construirmos o novo escritório e show room aqui na fábrica da Empório Tambo, foi que nos deparamos com todas as questões técnicas e legais do assunto.

No mesmo instante que estávamos planejando a iluminação dos novos espaços da empresa, pensamos que seria interessante compilar todas estas informações e tentar facilitar este processo de escolha da luz. 

Então, aproveitamos e desenvolvemos um material verdadeiramente brilhante para te ajudar a compreender vários detalhes que se bem tratados podem oferecer grande economia e resultado na decoração! 

Depois de ler você provavelmente vai entender o básico da iluminação, principalmente por causa das técnicas usadas pelos profissionais de decoração.

Vou aproveitar e deixar o convite para você vir conhecer pessoalmente nosso show room de mesas e cadeiras se passar aqui pelo oeste catarinense. Ou pelo menos espia o vídeo institucional da Empório Tambo e nos conheça um pouco mais.

Seja bem-vindo a mais um post Tambo. Boa leitura!

Início: O que é a luz?

Luz é a radiação de ondas eletromagnéticas que transportam energia pelo espaço e se manifestam principalmente em forma de cores.

A cor da luz nada mais é do que o comprimento e frequência desta onda. Quanto mais curta (400 nm) e rápida (790 THz), mais para o lado azul/violeta do espectro do arco-íris. Quanto mais longa (750 nm) e lenta (400 THz), mais para o lado vermelho a cor vai estar.

Acontece que, o que vemos, não é a luz em si, e sim a parte do campo eletromagnético que foi refletido pelo objeto. 

Ou seja, a cor de qualquer objeto, está sempre ligada a luz que incide sobre ele. E isso tem tudo haver com as cores da sua decoração, por exemplo.

Imagine que você tenha uma parede ou objeto da cor verde. Isso significa dizer que esta parede absorve todas as cores que for emitido sobre ela, menos o verde. A onda verde é refletida e chega até seu olho.

Assim acontece com qualquer uma das cores. Se uma fonte de luz totalmente branca é direcionada sobre a superfície de qualquer umas das cores. A cor a ser refletida será a cor que atribuímos ao objeto.

Cubos coloridos refletindo cores

Mas e se a luz que emitimos sobre o objeto não for totalmente Branca? O que acontece? Continua com a gente que vamos descobrir!

Por que a Iluminação em um ambiente é tão importante?

Um dos nossos principais sentidos é a visão. Já entendemos que o que enxergamos no mundo é basicamente a luz que reflete sobre o objeto.

Mas e se a luz que emitimos sobre o objeto não for totalmente Branca? E se ela for amarelada, por exemplo?

Bem, a cor percebida do objeto vai ficar totalmente diferente se a luz for amarelada e não branca. E por aqui começa nossa preocupação com a escolha mais adequada da lâmpada para seu ambiente.

A cor do seu ambiente e objetos se alteram de acordo com a iluminação escolhida!

Sofá sobre iluminação de 3 tons, Quente(amarelada), Neutra e Fria ( Branca ) Por Ilunato

Percebeu como a cor do sofá branco passou a ser amarelado, cinza ou levemente azulado? 

Pois é! Só de alterar a iluminação, passamos de um ambiente quente e aconchegante, para um ambiente mais frio e de alta concentração.

Isso ocorre por características específicas presentes nas tecnologias atribuídas ao tipo de lâmpadas. 

Mas quais são as tecnologias usadas nas lâmpadas?

Faça-se a luz! E a luz se fez! Bem eu perguntaria: mas com qual tecnologia? A energia elétrica chega até a lâmpada, e alguma reação física e/ou química deve acontecer para que a luz aconteça.

Então vamos aos detalhes das tecnologias mais conhecidas no mercado, utilizadas em residências e estabelecimentos comerciais que são as seguintes:

Lâmpadas incandescentes

Foi a primeira lâmpada comercializada, produzida por Thomas Edison, inicialmente usando uma haste de carvão, e depois de inúmeras experiências em busca de maior rendimento chegou ao que conhecemos hoje, o filamento de Tungstênio. 

Lâmpadas incandescente

As lâmpadas incandescentes, no seu total, produzem apenas 5% de luz de verdade. O restante é apenas calor, e isso explica o alto consumo elétrico e a baixa vida útil que fica em torno de apenas mil horas. Isso fez com que ela fosse gradualmente substituída por outras tecnologias. 

A sua cor amarelada, por volta de 2700 (k), é bem aconchegante. O que inspirou e fez reaparecer no mercado em formatos mais inusitados, com o apelo mais decorativo.

Como ela aceita bem a dimerização. É possível usá-la quase que como velas, graças a sua temperatura quente, para os ambientes que pedem mais aconchego.

Lâmpadas fluorescentes

São bastante utilizadas em casas, indústrias e principalmente em laboratórios e hospitais. São até 4 vezes mais eficientes que as incandescentes. 

Lâmpada fluorescente

A vida útil das lâmpadas fluorescentes chega a ser mais de 10 mil horas de uso. E possuem um consumo de energia considerado baixo. Porém as LEDs são ainda mais econômicas.

Fácil de encontrar nas cores brancas, azuladas e também amareladas. Quanto mais alta a temperatura de cor, mais clara(azulada) é a luz. Logo falaremos mais sobre a temperatura das cores e você vai entender melhor.

A composição é pelos metais mercúrio e chumbo, perigosos para a saúde e meio ambiente - por isso, é importante o descarte correto de qualquer lâmpada. 

Possuem dois formatos: as longas tubulares e as eletrônicas compactas de vários modelos. São usadas em luminárias, arandelas, lustres. E algumas delas podem aceitar a dimerização (excelente para o uso na decoração).

Lâmpadas halógenas

Ela tem o funcionamento parecido com as incandescentes, como são da mesma família, podemos dizer que vieram para substituí-las. Com o ponto positivo de serem mais eficientes por conta do halogêneo (iodo ou bromo). 

Lâmpadas de halogêneo trabalham com temperaturas elevadas, sendo assim, mais luminosidade. São luzes brancas de vida útil, aproximada a mil horas.  

 Lâmpada Halógena em formato bulbo

Como a sua claridade é constante e seu IRC costuma ser alto, ela é indicada para destacar objetos. Por isso, também é usada como luz decorativa ou em vitrines comerciais. 

São disponíveis em: dicroicas usadas em residências (bancadas, hall de entrada, abajures, pendentes); as haloPAR (20,30,...) principalmente aplicadas em jardins; e as palitos ou lapiseiras colocadas no comércio (lojas) e estacionamentos.

Lâmpadas LEDs

São as lâmpadas mais eficientes do mercado. Uma vida útil muito longa com um consumo de energia baixíssimo. 

Elas quase não produzem raios ultra violetas. E também poluem menos por não possuírem o mercúrio das fluorescentes, por exemplo.

A grande desvantagem é serem mais caras, mas se comparada com a vida útil das demais lâmpadas, vale muito o investimento! 

Só fique muito atento com a qualidade e marca da que for comprar. Como são para durar em torno de 10 ou 20 anos (40 a 50 mil horas), é bom garantir na escolha por confiabilidade.

Algumas marcas presentes no mercado (geralmente com valor bem menor) não seguem o padrão exigido, sendo bem inferiores. Iluminam menos e podem dar defeitos com pouco tempo de uso.  

Lâmpada de LED formato bulbo

Lara Muniz, para a Casa Abril, fez uma comparação em horas de vida de cada tipo de lâmpada, tomando como base o uso delas em 25 mil horas. Veja a quantidade de lâmpadas de cada tecnologia e energia elétrica você gastaria com cada caso:

Tabela comparativa de quantas lâmpadas são necessárias em 25 mil horas Informações: Lara Muniz/ Casa Abril Design Tabela: Tambo

Nota: Multiplique o preço do KWH (encontrado na sua fatura de energia) pela quantidade de KWH gasto por cada tipo de lâmpada para saber o custo em dinheiro de 25 mil horas de uso de cada um dos tipos.

Fitas de LED coloridas

As Lâmpadas LED são encontradas em diversas temperaturas de cores. E até mesmo em cores diferentes, como é o caso das fitas de LEDs. Controladas por controles remotos, alteram suas cores para uma ampla gama de tons: vermelhos, azuis, verdes, amarelos etc. Ideais para projetos de luz indireta.

Lâmpadas de descarga (HID)

Essas lâmpadas são caracterizadas pelo funcionamento a base de gás. Dividindo entre duas categorias: as de alta pressão e as de baixa pressão.

Lâmpada vapor metálico de descarga de alta pressão

Utilizam gases em vapor de Mercúrio (iluminação de ruas e fábricas); Sódio (para avenida, porto); Metálico (usada em iluminação de destaque de fachadas )

As lâmpadas de descarga de alta pressão são empregadas em ambientes grandes: ginásios de esporte, fachadas de comércios, em estradas, ferrovias, áreas industriais, pontes etc... 

Agora mais um detalhe importante é sobre a compatibilidade da lâmpada com os soquetes.

Soquetes das Lâmpadas

Cada tipo de soquete tem um termo técnico específico, nós vamos falar aqui superficialmente. Porque é relevante ter uma noção sobre o assunto.

Os principais tipos são os de roscas, nomeados com a letra E de Thomas Edison, seguido de um número que corresponde ao diâmetro da base da lâmpada, exemplo E10 (10mm).

Figura explicativa de onde fica o diâmetro e a base do soquete Por Design Tambo

E os conectores de encaixe representados pelas letras: GU10 (que são dois pinos); e as dicroicas MR16, MR11 (mini dicroica) que são diferenciadas pela potência e tamanho.

 Figura explicativa da ponta das lâmpadas GU e MR Por Design Tambo

Os soquetes tem uma vida útil longa, exceto em casos mal instalados ou de sobrecarga.

Você já sabe, mas precisamos deixar registrado aqui: Tome cuidado para não tocar no soquete na hora da limpeza ou troca de lâmpada! Evite choques elétricos!

Outro ponto importantíssimo que precisa saber antes de comprar qualquer lâmpada, é sobre a temperatura, IRC e fluxo luminoso. Vamos entender pormenores essas características que compõem as lâmpadas para fazermos uma boa compra? 

Lúmens, IRC das lâmpadas e Temperatura

Estes 3 índices encontrados nas embalagens das lâmpadas, dizem muito a respeito da quantidade e qualidade da luz que ela emite.

Os lúmens

Ao contrário do que muitos pensam, não é o watt que representa a quantidade de luz que uma lâmpada gera. A medida correta é o LÚMENS.

Mas qual a diferença? É o seguinte, “watt” é a potência absorvida pela lâmpada. É quanto de energia ela utiliza para funcionar. Basicamente é quanto você paga para a companhia de energia.

Já os Lúmens, é sim a quantidade de radiação luminosa que a lâmpada vai emitir ao ser ligada. É a certeza da quantidade de brilho que vai estar irradiando no ambiente. 

Uma lâmpada LED, por exemplo, pode consumir menos de 12 watts e gerar em torno de 800 lúmens, enquanto uma lâmpada incandescente para produzir esta mesma quantidade de lúmens precisaria consumir quase 6 vezes mais energia, em torno de 60 watts.

 

Incandescentes Halogenas LEDs CFLs LÚMENS
Consumo Consumo Consumo Luminância
100 watts 75 watts 20 watts 1600 L
75 watts 55 watts 15 watts 1100 L
60 watts 45 watts 12 watts 800 L
40 watts 30 watts 8 watts 450 L
25 watts 19 watts 5 watts 210 L

O IRC

Traduz a qualidade da lâmpada de reproduzir cores. Significa Índice de Reprodução de Cor, e irá informar a cor real do objeto diante da luminosidade do ambiente. 

É medida em uma escala de porcentagem de 0 à 100%. A lâmpada incandescente é tomada como referência, pois seu IRC pode atingir 100%.

Isso nos diz que, é falsa a sensação de que uma lâmpada com temperatura alta (mais fria, branca) reproduz melhor a cor.   

Os melhores índices (IRC) são encontradas nas incandescentes e halógenas, as maiorias delas chegam em 100% e as fluorescentes e LEDs entre 85 a 90%. Acima de 80% é garantia de melhor visualização das cores reais.

Pó de várias cores identificando a temperatura e o IRCAh, nem sempre lâmpadas com o mesmo IRC pode reproduzir a mesma cor. E isso acontece por causa do espectro de cores encontrada em cada tecnologia.

Temperatura da cor

As lâmpadas trarão em suas embalagens a temperatura da cor, que deve ficar em torno de 2.700 k até 6.500 k (kelvins)

Para ambientes de relaxamento e aconchego, são utilizadas as mais quentes. Já para os ambientes de preparo, trabalho ou estudos, é preferível as mais frias. Este é um assunto bem amplo e pode ser muito explorado em sua Decoração e Iluminação Residencial.

 Demonstração da temperatura das lâmpadas

O sol também tem uma relação de temperatura de cor, de acordo com o horário do dia.Demonstração da temperatura do sol, em várias fases do dia

Você deve encontrar diversos tipos de lâmpadas como opção para seu projeto. De acordo com a tecnologia usada ela pode ser encontrada em uma faixa de temperatura, confira abaixo:

  • Incandescentes: 2700K a 2900K;
  • Halógenas: 3000K a 4500K;
  • Fluorescentes: 2700K a 6500K;
  • Vapor de mercúrio: 3800K a 4500K;
  • Vapores metálicos: 2700K a 6500K;
  • Vapores de sódio: 1800K a 2300K;
  • LEDs: 2700K a 6500K

Conseguiu ficar claro que a funcionalidade de uma lâmpada depende de todas as suas particularidades e tecnologia na qual foi produzida? 

Você irá conseguir comprar qualquer lâmpada para qualquer ambiente com esse entendimento. Mas temos ainda mais um ponto para ponderar que é sobre a quantidade de luz necessária. Vamos lá!?!

Intensidade de Iluminância para cada ambiente

Além da cor da iluminação e dos objetos envolvidos em um ambiente, devemos ficar atentos a intensidade de iluminância para cada caso.

Por exemplo, em um ambiente onde vai relaxar, a pouca luz pode lhe ajudar fisiologicamente a se sentir mais tranquilo. Assim como ambientes com mais intensidade de luz, vai lhe proporcionar um estado de alerta e foco.

Por isso para cada ambiente existe já preestabelecido alguns parâmetros médios. Ele é medido em LUX, que é a luminância da lâmpada ( medida em lúmens ) dividida pela área que a lâmpada vai iluminar.

Existem compensações a serem feitas, como a refletância das paredes, tetos e piso, assim como a distância da lâmpada para a superfície da mesa de trabalho, por exemplo, ou objeto a ser iluminado. Isso pode ser complexo e exigir um projeto luminotécnico de um designer ou arquiteto especializado em iluminação.

Ambientes residenciais

Escolher as lâmpadas certas tanto em qualidade quanto em quantidade para sua iluminação residencial seja para o Jardim Externo, Sala de Estar, Cozinha, Ambientes Integrados, Quartos, Varandas etc. É sempre um desafio e tanto para que disponha de momentos agradáveis em cada situação em seus ambientes.

Abaixo na tabela de iluminância em lux para cada ambiente residencial. Para saber calcular quantas lâmpadas são necessárias para atingir essa iluminância, mais a frente falaremos um pouco mais sobre este cálculo simplificado.

Ambiente da Residência LUX
Sala Luz Geral 100  a 150
Sala (ler, estudar, costurar) 400
Sala de Jantar 50 a 200
Dormitório Luz Geral 100
Dormitório Cabeceira da Cama 150
Cozinha 50
Banheiro Luz Geral 200
Banheiro Luz Espelho 300
Hall e Circulação 150
Escritório 400 a 500
Garagem 50

Ambientes comerciais / escritórios

Em ambientes empresariais ainda existem maiores critérios com a quantidade exata de Iluminância dos ambientes. Isso porque as pessoas ficam por lá muitas horas e normalmente bastante concentradas. A iluminação adequada vai garantir a saúde física e também mental de quem ocupa esses lugares.

Aqui no escritório da Tambo seguimos a NHO 11 que normatiza a luz de cada ambiente. Pela tabela abaixo, é possível perceber como é bem maior o número de lux em ambientes comerciais. Justamente pelo uso prolongado de trabalho e níveis de concentração.

Ambiente da Residencia LUX
Arquivamento, cópia, circulação, etc. 300
Escrever, teclar, ler e processar dados 500
Desenho técnico 750
Estação de projeto assistido por computador 500
Sala de Reunião, Conferências 500
Recepção 300
Arquivo 200

OBS.: Nesses ambientes é aconselhável o IRC ( Índice de reprodução de cores das lâmpadas acima de 80% )

Outra norma igualmente reconhecida é a NBR 5413, vale muito a pena dar uma conferida.

Áreas públicas / arenas

A iluminação pública garante que as pessoas possam usufruir do ambiente a qualquer hora. A intenção é oferecer visão melhor durante a noite, deixando ruas, praças e qualquer espaço público mais seguro. 

As lâmpadas para vias públicas são de alta pressão, as mais comuns são de vapor de sódio com uma eficiência de até 150lm/w. Possuem ótima resistência e vida útil considerável.

Outra escolha que já está sendo adotada em alguns centros, são as lâmpadas de LED, por ter um potente fluxo luminoso, além de uma vida útil mais longa que as demais, entorno de 50 mil horas. 

Agora você sabe… Antes de comprar qualquer lâmpada

  • Verifique em que cômodo você vai utilizar e para qual finalidade necessita, trabalho ou descanso.   
  • O tamanho do ambiente e as cores presentes na decoração influência no fluxo luminoso e do local.
  • Preste atenção na quantidade de lúmen. Atrelado ao IRC (a cor verdadeira) e a Temperatura ( cores quentes ou frias)
  • Existe uma intensidade de luz, para cada situação dentro de casa, mas também em ambientes comerciais ou externos como, por exemplo, vias públicas. 
  • Das tecnologias existentes: incandescente, halógena, fluorescente, de descarga e as de LED. Considere o investimento nessa última, pois sua vida útil supera as demais, mesmo tendo um custo mais elevado.
  • Já as lâmpadas fluorescentes, são ótimas escolhas no quesito de custo. Ou seja, uma boa opção de compra.
  • Existem pessoas na casa com alguma deficiência visual? Pois você sabe que a luminosidade do ambiente depende de vários fatores incluindo principalmente as características de cada lâmpada. 
  • Para cada cômodo da casa existe uma quantidade necessária preestabelecida de iluminância para garantir a qualidade de quem está no local. 

Conclusão

Você imaginou todos esses detalhes serem tão necessários para comprar uma lâmpada? 

O fato de que muitas vezes optamos por uma lâmpada ou com o valor baixo ou escolhendo pela confiança da marca. Deixamos passar essas características relevantes para se ter uma boa iluminação.  

Observar a quantia de lúmens, a porcentagem do IRC, a quantidade de temperatura, o watt alto ou baixo, são particularidades presentes nas mais variadas tecnologias: incandescente, halógenas, fluorescentes e LEDs.  

Ou seja, uma simples lâmpada tem muito potencial! Por isso, preste atenção no que está descrito na embalagem. E se ainda tiver alguma dúvidas peça para fazer um teste. 

Converse com o vendedor e só saia da loja com a lâmpada certa para o uso que foi destinada. Pois você aprendeu aqui que cada uma tem um destino específico. 

Esperamos que o post tenha levado a compreensão que procurava. E que você faça uma boa compra! Obrigado e até o próximo post!

 

 

Fale Conosco pelo Whatsapp